Segunda-feira Santa


Dia da Lua

Cristo falou: “Eu sou a Porta , se alguém entrar por mim, será salvo

Nos dias que antecedem à Páscoa, Cristo passava em Jerusalém e às noites ele e os seus discípulos repousavam numa outra cidade chamada Betânia.

No meio do caminho existia uma aldeia cercada de altos muros, chamada Betfagé (a casa dos figos). Era uma aldeia sagrada onde os moradores cultivavam uma antiga forma de clarividência. Praticavam “o sentar-se sob a figueira”, com exercícios em parte físicos, em parte meditativos, através dos quais atingiam revelações e visões em estado onírico,

Na manhã da Segunda-feira Santa, indo à Jerusalém com seus discípulos, o Cristo ao passar por Betfagé fica com uma expressão imensamente grave. Aproxima-se de uma das figueiras e diz: – “ninguém comerá destes figos, para todo o sempre”. O dia seguinte a árvore estava seca. Com a condenação da figueira, Cristo cessa o antigo dom lunar da clarividência visionária e, assim renega todo o mundo das velhas visões cheias de êxtases.

Mais tarde, chegam ao Templo de Jerusalém fervilhando de centenas de peregrinos. Ao redor do templo, pratica se compras, vendas, pechinchas e negócios. De um local sagrado, o templo se transforma em mercado. É neste local que Cristo penetra para cumprir os ritos da festa de Páscoa (Pessach).

Ao ver o Cristo, o povo se apavora, sua fisionomia tem uma seriedade profunda. Ele nem precisa falar muito, os homens são tomados de pânico. O Cristo com seu fogo flamejante retira a máscara do mundo degenerado do templo e o purifica.

São as forças da velha Lua que devem morrer. Cristo é o Sol, o Sol reina no coração. Quando o Sol nasce, a Lua empalidece.

Agir conscientemente é a realização máxima do ser humano. Busque as verdadeiras razões por traz das ações, reflita antes de agir e procure no seu intimo a fonte que o leva à ação. É através da ação de uma pessoa que se expressa seu verdadeiro valor.

Anna Maria Varejão
Coordenadora da Terapia Social da Associação Parsifal de São Paulo.
Fonte principal “Os Acontecimentos da Semana Santa” do Emil Bock.

Arte de David Newbatt.

“Penso no que faço, com fé.
Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor,
Pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar,
Cabe a mim decidir entre rir ou chorar,
Ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri,
No caminho incerto da vida,
Que o mais importante é o decidir.”
-Cora Coralina

Boa Segunda-feira Santa para todos!❤️

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?